Depressão e Variações de Humor

Áreas de Especialização
A tristeza que não passa

A tristeza que não passa

Perder uma pessoa querida, ser demitido, enfrentar um divórcio. São várias as situações da vida podem levar a pessoa a sentir tristeza, medo, solidão, incompreensão. São reações normais diante de eventos difíceis. Só que, para algumas pessoas, estas reações são mais intensas, durando mais tempo e prejudicando o funcionamento em várias áreas da vida.

Há vários tipos de transtornos depressivos – como a Depressão Maior, Distimia, Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, Depressão Sazonal, entre outros. O quadro mais conhecido inclui rebaixamento do humor, forte tristeza, senso de desamparo, falta de energia, incapacidade em sentir prazer e desmotivação para as atividades, até mesmo as coisas importantes ou aquelas de que se gostava no passado. Até mesmo coisas simples, como se alimentar ou manter a higiene pessoal podem ser percebidas como obstáculos imensos.

Depressão e Ansiedade: Comorbidades frequentes

Embora os transtornos depressivos e de ansiedade sejam coisas diferentes, é comum uma pessoa deprimida experimentar sintomas comuns aos quadros de ansiedade. É possível sentir nervosismo, irritabilidade, dificuldade em manter o foco e dormir tranquilamente. Apesar das semelhanças superficiais, as causas e as manifestações sintomáticas, tanto emocionais quanto comportamentais diferem em aspectos importantes.

Muitas pessoas que desenvolvem depressão tem um histórico de ansiedade em épocas anteriores; o mesmo acontece com stress crônico, especialmente a Síndrome de Burnout. Não se pode dizer que um cause o outro, contudo é claro seu papel como fatores de risco, potencializando as fragilidades e reduzindo as competências de enfrentamento.

Diagnóstico e Tratamento

A depressão é um problema grave, de saúde mental e também de saúde pública. Podem colocar em risco a própria vida, devendo receber todos os tratamentos disponíveis para o alívio dos sintomas e retomada das atividades cotidianas.

Quadros depressivos leves podem ser tratados com Psicoterapia, Práticas Integrativas e Holísticas, manejo de stress e meditação Mindfulness. Para casos mais severos, os tratamentos comprovadamente mais eficazes envolvem combinação de tratamentos medicamentosos e não-medicamentosos.

A Psicoeducação – aprender mais sobre o transtorno – é essencial para conseguir se comunicar melhor com as pessoas importantes em sua vida, conseguindo apoio e colaboração.